monitoramento Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Ministério da Saúde investiga 3.448 casos suspeitos de microcefalia
Início do conteúdo da página
BOLETIM

Ministério da Saúde investiga 3.448 casos suspeitos de microcefalia

Publicado: Quarta, 27 de Janeiro de 2016, 19h30 | Última atualização em Sexta, 29 de Janeiro de 2016, 17h32

Além dos casos que permanecem em investigação, outros 270 já tiveram confirmação para a doença e 462 foram classificados como descartados

O Ministério da Saúde e os estados investigam 3.448 casos suspeitos de microcefalia em todo o país. O novo boletim divulgado nesta quarta-feira (27) aponta também que 270 casos já tiveram confirmação de microcefalia, sendo que 6 com relação ao vírus Zika. Outros 462 casos notificados já foram descartados. Ao todo, 4.180 casos suspeitos de microcefalia foram registrados até 23 de janeiro. 


“O aumento dos casos suspeitos notificados nesta última semana foi inferior, se comparado a  semanas anteriores.  O crescimento dos casos notificados foi de 7%, com relação ao boletim do dia 20 de janeiro. Já a quantidade de casos descartados, no mesmo período, cresceu 63%, passando de 282 para os atuais 462”, ressaltou Cláudio Maierovitch, diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde.

No total, foram notificados 68 óbitos por malformação congênita após o parto (natimorto) ou durante a gestação (abortamento espontâneo). Destes, 12 foram confirmados para a relação com infecção congênita, todos na região Nordeste, sendo 10 no Rio Grande do Norte, um no Ceará e um no Piauí. Continuam em investigação 51 mortes e outras cinco já foram descartadas.

Cabe esclarecer que o Ministério da Saúde está investigando todos os casos de microcefalia ou malformações informados pelos estados, e a possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

De acordo o informe, os 4.180 casos noticiados, desde o início das investigações no dia 22 de outubro do ano passado – foram registrados em 830 municípios de 24 unidades da federação. A região Nordeste concentra 86% dos casos notificados, sendo que Pernambuco continua com o maior número de casos que permanecem em investigação (1.125), seguido dos estados da Paraíba (497), Bahia (471), Ceará (218), Sergipe (172), Alagoas (158), Rio Grande do Norte (133), Rio de Janeiro (122) e Maranhão (119).

Até o momento, estão com circulação autóctone do vírus Zika 22 unidades da federação. São elas: Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Roraima, Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

TESTAGEM – Atualmente, a circulação do Zika é confirmada por meio de teste PCR, com a tecnologia de biologia molecular. A partir da confirmação em uma determinada localidade, os outros diagnósticos são feitos clinicamente, por avaliação médica dos sintomas. O Ministério da Saúde distribuirá 500 mil testes para realizar o diagnóstico de PCR (biologia molecular) para o vírus Zika.

Com isso, os laboratórios públicos ampliarão em 20 vezes a capacidade dos exames, passando de mil para 20 mil diagnósticos mensais. As primeiras 250 mil unidades tem entrega prevista para fevereiro, inicialmente aos 27 laboratórios, sendo quatro de referência e 23 Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACEN). A previsão é que os outros 250 mil testes estejam disponíveis a partir do segundo semestre. No total, o Ministério da Saúde investiu R$ 6 milhões para a aquisição dos produtos.

A recomendação do Ministério de Saúde, conforme Protocolo de Vigilância e Resposta à Ocorrência de Microcefalia, é que sejam priorizadas, para a realização do teste, mulheres grávidas com sintomas do vírus Zika, gestantes com bebê microcefálico, além de recém-nascidos com suspeita de microcefalia.

ORIENTAÇÃO – O Ministério da Saúde orienta as gestantes adotarem medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doença, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes.

Distribuição dos casos notificados de microcefalia por UF, até 23 de janeiro de 2016

Regiões e Unidades Federadas Casos  de Microcefalia e/ou malformações, sugestivos de infecção congênita Total acumulado de casos notificados
de 2015 a 2016
Em investigação Confirmados Descartados
Brasil 3.448 270 462 4.180
Alagoas 158 0 0 158
Bahia 471 35 27 533
Ceará 218 4 7 229
Maranhão 119 0 15 134
Paraíba 497 31 181 709
Pernambuco 1.125 138 110 1.373
Piauí 91 0 0 91
Rio Grande do Norte 133 60 15 208
Sergipe 172 0 0 172
Região Nordeste 2.984 268 355 3.607
Espírito santo 52 0 0 52
Minas Gerais 8 1 39 48
Rio de Janeiro 122 0 0 122
São Paulo 18 0 0 18
Região Sudeste 200 1 39 240
Acre Sem registro Sem registro Sem registro Sem registro
Amapá Sem registro Sem registro Sem registro Sem registro
Amazonas Sem registro Sem registro Sem registro Sem registro
Pará 6 0 0 6
Rondônia 1 0 0 1
Roraima 5 0 0 5
Tocantins 70 0 12 82
Região Norte 82 0 12 94
Distrito Federal 5 0 9 14
Goiás 62 0 0 62
Mato grosso 110 0 37 147
Mato Grosso do Sul 3 0 1 4
Região Centro-Oeste 180 0 47 227
Paraná 2 0 8 10
Santa Catarina 0 0 1 1
Rio Grande do Sul 0 1 0 1
Região Sul 2 1 9 12
Fim do conteúdo da página